Geração Futuro


A Igreja de Casa em Casa

O Pequeno Grupo (PG) é uma expressão da Igreja de Jesus onde os que participam cuidam uns dos outros. O A2 é a rede Pequenos Grupos de casais da Igreja Batista Central de Fortaleza.

Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos

Você foi escolhido por Deus para ser o responsável da criança que Ele pôs em sua vida. E, para isso, Ele irá capacitá-lo a cumprir essa missão.

Isso fará parte do seu crescimento e deu seu aprendizado de vida se você estiver, de fato, disposto a aprender.

Porque é necessário aprender a ser pai ou mãe? Pela simples razão de que ninguém nasce sabendo, nem aprende apenas observando os outros. É preciso viver essa experiência.

Deus, ao escolhê-lo para a tarefa de educar seus filhos, plantou em seu interior a semente da capacitação para realizá-la. Contudo é você que por meio do aprendizado, que deve cuidar para que essa semente germine, cresça e dê bons frutos.

Quando vemos crianças desajustadas, mal comportadas ou infelizes, em geral estamos observando a conseqüência do problema que está por trás dessa situação: a falta de reparo dos pais em educar filhos.

Pais despreparados são pais angustiados, que até querem acertar na educação dos filhos, mas acabam fazendo tudo errado, e muitas vezes nem percebem os erros que estão cometendo.

Pais capacitados a educar filhos sabem dar responsabilidades a eles, sabem até onde podem exigir deles, e não exigem nem mais nem menos que isso; não extrapolam nem se omitem, e tem autoridade para impor a disciplina necessária. Se você deseja ser um bom pai ou uma boa mãe, deve – e pode – aprender a fazer tudo isso.

Mas, lembre-se: essa é uma jornada que você fará com os seus pés. Certamente, terá a companhia do seu marido ou de sua esposa, dos filhos e, quem sabe, de alguns amigos que poderão orientá-lo nessa caminhada. Mas ninguém poderá fazer a viagem por você, nem poderá arrastá-lo se você não quiser aprender.

Em muitas famílias, é visível a falta de diálogo entre os pais, e entre eles e as crianças, e, pior ainda, dá para perceber uma profunda mágoa – e até má vontade – entre o marido e a mulher, provavelmente acumulada ao longo dos anos de tensão que vêm tentando , de modo errado, educar crianças.

O pai de uma família que conheço necessita de ajuda na educação dos seus filhos. Fiz algumas colocações, e o pai se disse disposto a mudar a vida da família, a melhorar o relacionamento com os filhos e com a esposa, a cuidar mais e melhor da educação das crianças. Quando eu disse, porém, que ele deveria dedicar seu dia de folga semanal à família e ao método sugerido, a resposta dele foi: “Há não! No meu dia de folga, eu saio com meus amigos.”

Assim fica difícil, não é? É imprescindível ter boa vontade e disposição a fim de fazer as mudanças necessárias para se tornar pais capacitados de verdade.

E há mais: antes de habilitar-se a ser pai ou mãe, é preciso aprender a ser marido e esposa. Esse é o requisito fundamental para os que constituem uma família feliz, com filhos bem educados, corretamente bem orientados, num ambiente de harmonia.

A Biblia diz que nossos filhos são como flechas na mão do arqueiro. Você precisa saber para onde atira, pois, se as jogar ao acaso, sem mirar, elas irão parar em qualquer lugar, e, em geral, nunca vão para o lugar onde você gostaria.

Por isso, é necessário sempre haver interesse dos pais em se informar sobre as maneiras mais adequadas de educar filhos: lendo a respeito, participando de palestras, consultando amigos que tenham famílias que despertam admiração, enfim, interessando-se sempre pelo assunto.

O aprendizado de ser pai ou mãe precisa começar desde a gestação. O casal deve sentar e conversar o que quer para o seu filho e sobre a forma como pretende educá-lo. Essa é uma maneira de planejar a educação dele e de desenvolver o diálogo sobre o tema. Não importa se um acha que o seu ponto de vista é melhor que o do outro. Para o bem de seus filhos, vocês precisam conversar a respeito e chegar a um entendimento.

Um casal só se capacita na tarefa de ser pai e mãe por meio de muito diálogo, muito interesse, muita paciência e determinação. O resultado sempre vale a pena.

Dica: comecem a dialogar sobre educação de seu filho no inicio da gravidez, a fim de os pais se prepararem para a chegada do bebê. Perguntem um ao outro: o que nós vamos querer para nosso filho? Isso é parte fundamental do aprendizado de ser pai e ajuda a entender que a nossa vida muda radicalmente no momento em que nasce esse pequeno ser.

Eu defendo uma volta aos valores básicos da família. Devemos pegar esses princípios essenciais de relacionamento, de educação e de convívio e trazê-los para o presente, a fim de ensiná-los aos nossos filhos. Creio que assim poderemos resgatar as atitudes que fazem um bom relacionamento e uma família feliz, que vive em harmonia.

Filhos autônomos, filhos felizes.

Cris Poli