ESPERANÇA, ONDE ENCONTRÁ-LA?

Muitas vezes a realidade da vida nos enche de desalento. Estamos envoltos por guerras, atos de terrorismo, catástrofes da natureza, fome, criminalidade crescente, violência assustadora contra crianças que são surradas até a morte, abusadas sexualmente, corrupção de governantes e agentes de que deveriam garantir nossa segurança etc.
Também, a nossa própria vida pode nos encher de desalento. Mágoas, traumas, conflitos constantes em nossos relacionamentos com pais, cônjuges, filhos, rejeição, depressão, humilhações e injustiças sofridas, sentimentos de incompetência pessoal, e por aí vai. Talvez, tenhamos aprendido que alimentar esperança nos outros e, até mesmo em nós mesmos, só nos traz decepção, desilusão, frustração. Promessas que nos fizeram e que fizemos foram quebradas e sentimo-nos tolos por termos alimentado esperança.
Talvez, isso aconteça porque costumamos colocar nossa esperança no lugar errado.
Veja o que Deus nos diz: “… aquele que se afasta de Mim, que confia nos outros, que confia na força de fracos seres humanos … é como uma planta do deserto que cresce na terra seca, no chão salgado, onde não cresce mais nada. Nada de bom acontece com ele. Mas Eu abençoarei aquele que confia em Mim, aquele que tem fé em Mim, o SENHOR. Ele é como a árvore plantada perto da água, que espalha as suas raízes até o ribeirão. Quando vem o calor, ela não tem medo, pois as suas folhas ficam sempre verdes. Quando não chove, ela não se preocupa; continua dando frutas.” Jeremias 17:5-8.
Assim, quando colocamos nossa esperança em outras pessoas, com certeza sofreremos decepções, pois elas são incapazes de satisfazer nossas necessidades mais profundas.
Porém, quando colocamos nossa esperança em Deus, tudo muda. Somos amados, amparados, consolados, cuidados, supridos, encorajados… Somos cheios de esperança!

E esta é essência do Passo 2: Viemos a acreditar que um poder superior a nós mesmos poderia restituir nossa sanidade… e, portanto, a esperança de sermos restaurados.

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *