EXPRESSANDO O QUE ESTÁ DENTRO DE NÓS

As emoções retratam nossas atitudes e comportamento e, com frequência, exteriorizam nossas crenças mais profundas. Se acreditamos realmente, por exemplo, que nosso Poder Superior Jesus Cristo restaura nossa sanidade, conforme declara o Passo 2, experimentamos paz, esperança e contentamento no lugar de medo e preocupação.

Fomos criados por Deus para pensar, escolher e sentir. Nossa personalidade é entretecida com uma combinação complexa de mente, vontade e emoções. Ser capaz de sentir dor ou alegria, tristeza ou raiva é sentir-se vivo.

Quando negamos ou reprimimos nossas emoções, ou a expressamos de forma desequilibrada, fazemos mal a nós mesmos e limitamos a plenitude do potencial com que fomos criados por Deus.

As emoções são dádivas de Deus e visam nos compelir à ação. Nossa raiva diante de uma injustiça cometida contra nós ou contra outra pessoa, por exemplo, pode nos levar a buscar a justiça. Mas, sua expressão descontrolada pode nos levar a revidar com violência, ou sua negação pode fazer com que a raiva “engolida” acabe por se expressar em nosso corpo, numa doença psicossomática.

Por mais importantes que sejam as nossas emoções, não devemos permitir jamais que elas nos controlem, antes, devemos sujeitar nossas emoções a Deus, através da prática diária do Passo 3.

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *