#PARTIUMETAMORFOSEMENTAL| POR ALINE XAVIER

Essa coisa de mudar a mente é muito difícil mesmo, afinal ela é tão insistente, principalmente nos maus pensamentos, conceitos deturpados, culpas, habitat da ansiedade, o que leva a crer que, estas concepções estão arraigadas de forma tão profunda, como uma raiz endógena.

Comparo essa necessidade de tirar àquilo que cauteriza à mente, ao processo de “ecdise”, onde os réptil para poder expandir o seu corpo e crescer, precisa mudar de pele. É um processo de certa forma doloroso, porque aquela pele atual impede a cobra de se desenvolver, por exemplo, e ela precisa se livrar desse estorvo para ter qualidade de vida. E pasme, isso ocorre até cinco vezes durante o ano. Ou seja, há constante necessidade de mudança, de retirar aquilo que incomoda, que neutraliza o desenvolvimento e o bem-estar do ser vivo.

Assim, são os “aperreios” mentais, aquilo que tira a paz, o descanso e paralisa a sanidade. Não se trata apenas de buscar um tratamento holístico, recitar mantras para atrair “good vibes” e sim uma busca por algo intrínseco, que resulte na metamorfose. Sim, porque é necessária uma mudança no mais profundo do ser. Superar traumas, aniquilar o desejo pelo fim da dor de maneira fatídica, requer medidas mais agudas.

Transformar a mente não é fácil nem para os mais arrojados, tampouco para os mais seguros de si ou até mesmo os mais equilibrados emocionalmente. Cada um tem seu próprio tempo de assimilar e lidar com suas dores. É um preço a ser pago e muito provavelmente seja o motivo real pelo qual grande parte das pessoas hesita em fazê-la.

Parece “mais fácil” tapear os sentimentos, esconder-se atrás de uma rede social, do trabalho, da religião, do falso moralismo, fanatismo, da hipocrisia e até ativismo. Mas, a mente vai continuar poluída e ao deitar ou ficar só, em determinados momentos, ela vai acusar, vai desmoronar, vai aprisionar cada vez mais, ao ponto do indivíduo achar que não tem mais jeito e começar a recorrer a outros refúgios lesivos à sua saúde mental, emocional, espiritual e física.

É preciso reconhecer quando algo significativo precisa ser revisto, ainda que pra isso cause a dor da ruptura de paradigmas, preconceitos e outros danos.  A alteração do percurso da vida é a maneira como Deus nos condiciona a olharmos para nossa própria história como seres humanos imperfeitos, que precisam entender que, como parte da criação, não estamos vivos por acaso. Nossa criação tem propósitos legítimos e muito além do que podemos imaginar. A despeito de religião ou quer você queira ou não queira, existe uma lacuna que somente o poder Superior, como Nome Próprio, chamado Jesus Cristo de Nazaré, é capaz de preencher. E depois que ELE faz morada e alinha o nosso espírito ao Espírito Santo de Deus, através da fé, finalmente somos capazes de dar um novo significado às nossas dores, e consequentemente abrimos a mente para uma nova perspectiva da vida, através do que é relevante e verdadeiro.

Se você tiver apenas um lampejo de lucidez, reconhecerá que essa libertação mental encontra na espiritualidade a fonte de resiliência para o enfrentamento do trauma e suas implicações na saúde, inclusive com bases científicas publicadas e que abordam a inter-relação entre elas.Não obstante reconhecemos que fatores como análises, terapias individuais ou em grupos, a prática de exercícios físicos, a boa alimentação, atividade de lazer, são fatores totalmente legítimos e necessários para o tratamento. A medicina é uma bênção e graças a ela obtemos resultados maravilhosos. O desporto e a boa nutrição favorecem a liberação da endorfina, o que é fantástico, mas nada disso é capaz de atingir o âmago, a cerne, ou seja a parte mais íntima do ser humano, a não ser o Seu próprio Criador, quem detalhou cada um, individualmente, com riqueza de detalhes.

Você, caro leitor, tem a liberdade de acreditar ou não, de querer ou não explorar esse caminho oferecido por meio da GRAÇA e da FÉ. Cabe a cada um decidir se quer continuar sendo o próprio escritor e protagonista de uma história marcada por vícios, traumas emocionais, comportamentos destrutivos e hábitos nocivos ou permitir que o Autor da Vida, Àquele que lhe criou para uma vida abundante, faça essa varredura, essa limpeza em você, de maneira bem mais leve, com jugo suave, com amor, misericórdia, compaixão e legitimidade. É uma decisão individual, mas o tratamento é em conjunto e com dividendos infindáveis. Você não está sozinho nessa! Acredite.

Faça parte do Celebrando a Restauração e permita-se uma nova chance!

Por Aline Xavier

 

 

Esta entrada foi publicada em Artigos. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *